FERNANDO HENRIQUE CARDOSO

 1995 – 2002

Fernando Henrique, vitorioso nas eleições de 1998, quando se apoia na tese da necessidade de permanecer no governo para manter a estabilidade monetária, é o primeiro presidente do Brasil a ser reeleito. Para conseguir a reforma da Constituição a fim de que isso se torne viável, empreende , em 1997, longa campanha junto aos parlamentares. Assim, é acusado de descurar dos problemas nacionais com cuja solução seu governo se proclama comprometido.

 

ESQUEÇAM O QUE ESCREVI

O professor  Fernando Henrique Cardoso nega que tenha dito tal frase. Seus críticos juram que se ele não falou, na prática, abandonou todas  as suas teses acadêmicas marxistas, o que daria no mesmo. O fato é que para enfrentar o líder popular Luiz Inácio, a social-democracia aliou-se com a direita representada pelo PFL, hoje Democratas. Um fenômeno que iria se repetir com o PT e o Partido Liberal, para a eleição de Lula. O professor da USP, um dos grandes sociólogos brasileiros, líder da esquerda intelectual, avançou para o centro e montou no cavalo do Plano Real, que o levou para a Presidência da República e o reelegeu. A oposição rotulou-o de neoliberal, entreguista, privatista militante, vendilhão de bens nacionais e por aí vai. No seu pé estava o Partido dos Trabalhadores, afinado para fiscalizar cada movimento do governo, denunciar as (supostas) falcatruas e impedir que o capital internacional aterrissasse na Terra de Santa Cruz. Era a cruzada do Santo Guerreiro contra o Dragão da Maldade. FHC era o único candidato capaz de impedir a vitória de Lula, e por isso ganhou o apoio da direita, que via no sapo barbudo uma ameaça à sociedade de consumo e de livre-mercado que se instalava no Brasil. Nada de um socialismo que nem o PT em duas décadas de existência jamais conseguiu definir. O bordão preferido é que o Brasil não poderia perder o bonde da história. O fato é que outros países já viajavam de trem-bala havia muito tempo, e bonde era coisa de museu. FHC introduziu a prática dos preços estáveis, uma coisa que duas ou três gerações de brasileiros desconheciam. Nasceram e cresceram ao sabor da inflação, a ponto de desconhecer o que era preço relativo. Com grande inflação, o povo escolhia um produto ou porque era muito barato ou muito caro. Na verdade, ninguém sabia. O Plano Real construído no governo anterior, pelos economistas e administradores convidados, foi capitaneado pelo então ministro da Fazenda, o professor Fernando Henrique. Debaixo de uma saraivada de críticas, principalmente do PT, que dizia que os produtos tinham sido congelados no pico do preço e os salários, na baixa, o Plano acabou com a inflação e impôs uma nova política econômica, fiscal e cambial que teria como destino levar o Brasil a um crescimento sustentável. Será?

Charges de Jack Cartoon, originalmente publicadas no jornal Amazonas Em Tempo entre 1995 e 2007

FHC

 A aliança  entre os tucanos, social-democratas, e o Partido da Frente Liberal, formado de políticos conservadores, muitos apoiadores do regime militar, proporcionou a vitória do ex-professor da USP, o respeitado sociólogo Fernando Henrique Cardoso. O que causou surpresa foi um intelectual de esquerda virar para o centro e ser duramente criticado pela oposição, principalmente pelo PT, de ser um neoliberal e de ter um programa de governo que não contemplava o social. As críticas chegaram mesmo ao slogan Fora,FHC, o que foi interpretado como uma tentativa de golpe contra o presidente eleito. A oposição não perdoou a mudança ideológica de Fernando Henrique, autor de livros clássicos de conteúdo marxista, e atribuiu a ele a frase ‘’Esqueçam tudo o que escrevi’’, o que ele sempre negou. Quando Lula subiu ao poder, os tucanos devolveram com a frase ‘’Esqueçam tudo o que disse’’. De certa forma, a radicalização política ficou entre o Esqueçam o que escrevi contra o Esqueçam o que eu disse…

FHC chegou ao poder cavalgando o sucesso do Plano Real, da queda da inflação e de uma conjuntura mundial favorável ao Brasil, cenário que mudaria.Seus assessores diziam que haveria um take off da economia em direção ao Primeiro Mundo. Com a popularidade obtida no governo Itamar, Fernando Henrique venceu com mais da metade dos votos todos os outros candidatos, inclusive o carismático Lula. Mas foram grandes os desafios que se apresentaram ao governo: o controle da inflação proporcionou uma melhoria no poder de compra da população, que passou a entender o que era o preço relativo dos produtos e serviços. Não havia mais a necessidade de sair correndo para o supermercado, nem tinha a sensação de que os preços não iriam subir, nem os produtos sumir das gôndolas, como nos planos anteriores.

O inegável êxito da política econômica se transformou no principal mote da publicidade do governo, que, a cada vez que a oposição aumentava o tom, acusava-a de estar contra o Brasil e não contra o governo. De 1994 a 1998, a inflação caiu 916% para menos de 2% ao ano. A renda média subiu de R$ 715,00 em 1993 para R$930,00 em 1998. E quem nunca tinha comido frango e iogurte pôde enfim se dar a esse luxo.

Só o PIB não decolava no governo tucano: em 1998 foi de zero por cento.Para segurar a inflação, o governo autorizou a importação de alguns produtos, e com mais dinheiro a população entendeu que era o liberou geral. Com isso, o déficit da balança comercial aumentou,o que obrigou o governo a aumentar os juros para atrair capitais especulativos, ou, como se dizia popularmente, capital-motel,de curta permanência. O arrojo no crédito provocou quebradeira em muitas empresas e o índice de desemprego foi parar nas alturas.

Um balanço crítico e bem-humorado do quarto ano 98 de FHC no poder

Charge O Ralho > Jack Cartoon

Os tucanos tinham um projeto de governo de pelo menos uns 20 anos. O governador de São Paulo, Mário Covas, era candidatíssimo na eleição de 1998. Não Havia reeleição, mas Fernando Henrique e a cúpula tucana deram um jeito. Mudaram a Constituição e instituíram a reeleição. A imprensa divulgou que houve corrupção e que alguns deputados venderam o voto, outros conseguiram barganhar benesses com o governo.

Charge O Ralho > Jack Cartoon

O GRAMPO NO BNDES

O escândalo leva à demissão do Ministro das Comunicações,Luiz Carlos Mendonça de Barros, do  presidente  do  BNDES,  de  diretores  do Banco  do  Brasil  e da  Prev,  o fundo  de  pensão  dos  funcionários  do  banco.  A tentativa  da  oposição  de  instalar  uma  CPI  para investigar  o caso  é derrotada.

Charge O Ralho > Jack Cartoon

Charge de Chico Caruso – Jornal O GLOBO
Charge O Ralho > Jack Cartoon
Charge O Ralho > Jack Cartoon

O fato é que pela segunda vez FHC levou logo no 1º turno. Coisa que seu seguidor tentaria, sem sucesso, apesar do enorme carisma entre as classes mais desfavorecidas. Tudo parecia dar certo no governo tucano.

,Mas  aí vieram as crises internacionais. Foram nada mais, nada menos do que cinco. Nem bem começou o segundo mandato, estourou a crise mexicana, que abalou os mercados e a provocou a retração dos juros e veio a consequente diminuição do crescimento e aumento do desemprego.

Charge O Ralho > Jack Cartoon

Esta foi uma gangorra que o governo não conseguiu derrubar. Mais do que nunca ficou claro que, se o Brasil queria crescer, precisaria se atirar no fluxo mundial de capitais e do comércio, e a contrapartida seria sofrer todas as marolas econômicas, boas ou ruins. A oposição, principalmente o PT, como sempre, aumentou o tom das críticas, acusando FHC de entregar o Brasil ao capital estrangeiro e provocar uma desnacionalização das empresas brasileiras. O grito ‘’ Fora, FMI’’ reunia o PT, setores da Igreja Católica e o Movimento dos Sem-Terra. O MST invadiu propriedades rurais, exigiu uma reforma agrária com a desapropriação de terras e chegou mesmo a invadir uma fazenda do presidente em Minas Gerais e beber todo uísque de sua adega. O confronto entre o PSDB e PFL, de um lado, e o PT e partidos de esquerda, de outro, acendeu o debate ideológico de um projeto nacional e para onde cada um queria levar o país.  A esquerda acusava os tucanos de neoliberalismo, e estes retrucavam acusando a esquerda de querer reviver os mitos socialistas derrubados com o Muro de Berlim, em 1989.

Charge O Ralho > Jack Cartoon

A decolagem econômica do Brasil pregada pelos tucanos de vários tons de plumagens teve que ser abortada em plena arremetida. O capitalismo global passou por crises maiores ou menores que comprometeram a estabilidade do segundo período  de FHC, atrofiando o crescimento, insuflando a volta da inflação, o aumento da dívida pública e a queda da popularidade do presidente e de seus aliados. O governo iniciou um processo de privatização de empresas estatais, e pôs à venda as empresas de telefonia e comunicações, eletricidade, e promoveu a abertura do capital da Petrobras e da Companhia Vale do Rio Doce, um dos Ícones da era Vargas e da esquerda nacionalista. E os  sem-voto sempre denunciando: denúncias de propina, de favorecimento de grupos econômicos não faltaram, e incentivaram o slogan petista de ‘’Fora, FHC’’, que os tucanos qualificaram de golpismo.

Charge O Ralho > Jack Cartoon

A turbulência da economia mundial despencou sobre o Plano Real.Juros altos, inflação alta e dívida pública explosiva, R$ 623bilhões em 2002. Em 2008, já no governo Lula, beirou um trilhão de reais!!! As contas externas apresentaram déficit e o Brasil foi obrigado a recorrer ao FMI e a um empréstimo dos Estados Unidos.

Charge O Ralho > Jack Cartoon

Dali para a frente ficou claro para todos: o que é bom para o mundo, é bom para o Brasil, e vice-versa. Não havia alternativa a não ser aderir. A falta de investimentos em infra-estrutura e o baixo índice de chuvas em três anos seguintes obrigaram o governo a impor uma restrição ao consumo de energia elétrica, que ficou carinhosamente conhecido como apagão (não o aéreo, o outro). O Brasil iniciou investimentos pesados no gás natural como complemento energético, com produto fornecido pela Petrobras e pela Bolívia, com a construção de um gasoduto entre os dois países. Já no governo Lula, o presidente boliviano Evo Morales invadiu as instalações da Petrobras e nacionalizou  à força as jazidas de gás. Na maior. A turbulência econômica desgastou o governo. O candidato tucano José Serra; ex-ministro da Saúde, criador dos populares genéricos, rompeu a coligação com PFL e aliou-se ao fisiológico PMDB. O PT lançou Lula pela quarta vez, só que agora aliado a um partido de direita, o Partido Liberal, ou República, que indicou o empresário conservador mineiro José Alencar como vice. Impensável para um partido que expulsou deputados porque votaram em Tancredo Neves, alguns anos antes. Sem falar na Carta aos Brasileiros.

 

Charge O Ralho > Jack Cartoon
Charge O Ralho > Jack Cartoon

GRAMPO

Diz aí; por que o FhC protesta tanto contra grampeamento? Não fosse a TV Globo ter deixado o microfone aberto (antigrampeamento, grampeamento “aberto”, sem grampo) ninguém saberia que o Ricúpero não tinha escrúpulo, FhC não teria ocupado o lugar do Ricúpero, se apossado, como se fosse seu, do Plano Real, não teria tido a oportunidade de puxar o saco do Itamar e ser apontado candidato a isso que está aí. Teria ficado relegado a seu papel de pavão municipal e a sua aposentadoria precoce.   (6 de julho de 1998 ) Millôr Fernandes

Faixa Cronológica período FHC

1998

ABRIL- morre em São Paulo o arquiteto da privatização das telecomunicações, o ministro das Comunicações Sergio Motta; dois dias depois, morre Luís Eduardo de Magalhães (do PFL), líder do governo na Câmara.

JULHO – são vendidas as 12 empresas do sistema Telebrás.

Charge de Ique – Jornal Estadão

OUTUBRO – FHC se reelege presidente já no 1º turno, com 54,27% dos votos válidos, contra 31,71% de Lula.

DEZEMBRO – em São Paulo o governador reeleito Mário Covas (PSDB) é operado do câncer que o mataria; é promulgada a Emenda Constitucional que se constituiu no eixo da reforma da previdência.

Charge O Ralho > Jack Cartoon

BRASIL À BEIRA DO ABISMO. FMI promete dar um empurrãozinho

 

Charge O Ralho > Jack Cartoon
Charge O Ralho > Jack Cartoon
Charge O Ralho > Jack Cartoon
Charge O Ralho > Jack Cartoon
Charge O Ralho > Jack Cartoon
Charge O Ralho > Jack Cartoon

 

Acuado pelos inimigos e promotores republicanos, Clinton tenta a saída pela direita: Um vestido manchado-que porra é essa, Bill?- parece ser o último prego no caixão do escândalo, mas não!! Tem mais! Um charuto! Bill pede desculpas e termina seu mandato à brasileira: com muito jeitinho.
Charge O Ralho > Jack Cartoon
Charge O Ralho > Jack Cartoon
Charge O Ralho > Jack Cartoon
Charge O Ralho > Jack Cartoon
Charge O Ralho > Jack Cartoon
Charge O Ralho > Jack Cartoon
Charge O Ralho > Jack Cartoon
Charge O Ralho > Jack Cartoon

O GRAMPO NO BNDES

O processo de venda das estatais é alvo de críticas e acusações de favorecimento a grupos privados. O caso mais rumoroso é o das fitas gravadas por meio de escuta ilegal em telefones do BNDES. Nelas, a suspeita de favorecimento a um banco no leilão de privatização da Tele Norte Leste. O escândalo leva à demissão do Ministro das Comunicações,Luiz Carlos Mendonça de Barros, do  presidente  do  BNDES,  de  diretores  do Banco  do  Brasil  e da  Prev,  o fundo  de  pensão  dos  funcionários  do  banco.  A tentativa  da  oposição  de  instalar  uma  CPI  para investigar  o caso  é derrotada.

Charge O Ralho > Jack Cartoon

What do you want to do ?

New mail

What do you want to do ?

New mail