Causa do União Brasil está com Socorro Guedes em fase de recurso

Por Marcos Santos *

O comando da Federação Partidária União Brasil no Amazonas segue em litígio jurídico. A eleição da executiva estadual, com o ex-deputado federal Pauderney Avelino como presidente, foi derrubada em primeira instância. O presidente é o secretário de Estado de Governo, Sérgio Litaiff Filho, coordenador político da gestão Wilson Lima. Pauderney recorreu à segunda instância e o recurso tem como relatora a desembargadora Socorro Guedes. O ex-deputado é agora ex-secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti).

Rompimento

Pauderney e Wilson Lima estão rompidos, na prática, desde março. O então secretário se recusou a renunciar ao comando do União Brasil. Começou aí a queda de braço.

História antiga

O comando do União Brasil foi disputado por Pauderney e Amazonino Mendes, antes da eleição de 2022. Pauderney ganhou e levou Wilson Lima, candidato à reeleição e adversário de Amazonino, para a legenda.

Reforma Tributária

Pauderney chegou a ser nomeado coordenador da força tarefa do Amazonas na Reforma Tributária. Ele tem relação estreita com o Polo Industrial de Manaus (PIM) e com o vice-presidente da República. Geraldo Alckmin, como ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, tem muita influência no processo.

Questão de honra

O comando do União Brasil no Amazonas virou uma questão de honra para o governador Wilson Lima. Já envolve o presidente da federação, Luciano Bivar, o vice, Antônio Rueda, e o secretário-geral, ACM Neto. O “board” partidário, pelo que tudo indica, aguarda o desfecho jurídico para se pronunciar.

Alternativa

Wilson Lima, enquanto isso, tem pronto um “Plano B”. Se não ficar com o União Brasil será o próximo filiado do Progressistas (PP). Onde nomeou o presidente regional, o diretor do Detran-AM, Rodrigo Sá. O PP, regional e nacional, vem insistindo para que o governador se filie.

Cerco

O mote, por trás da briga, é a eleição para prefeito e vereador, ano que vem. Mais partidos, maior capacidade de distribuição da verba do fundo eleitoral e de articulação de chapas nos dois pleitos.

Votação

A Reforma Tributária, enquanto isso, será votada, ainda neste primeiro semestre, na Câmara Federal.

Fentanil

O fentanil, uma droga que pode ser fumada, inalada ou injetada, é a próxima praga da humanidade. Ela é mais poderosa e muito mais barata que a heroína e vicia em pouquíssimo tempo. Por enquanto, tem sido o pesadelo das autoridades do México e está penetrando nos EUA e Canadá. Matéria deste sábado (20/05), em O Globo, mostra que ela transforma as vidas dos dependentes numa corrida pela próxima dose.

Petróleo

A Petrobras está insistindo, junto ao Ibama, pela licença para explorar o petróleo na Foz do Amazonas. O vice-presidente Geraldo Alckmin está tentando mediar um acordo entre os dois entes do governo Lula. O presidente da estatal, Jean Paul Prates, disse hoje (20/05), ao Estadão, que se a licença não sair, a exploração será via Guiana e Suriname.

A nova Identidade

A Carteira de Identidade Nacional (Cin), que vem sendo emitida desde o ano passado, não contém mais o campo do sexo. Também não distingue nome social daquele com o qual a pessoa foi registrada. A identificação se dará pelo número do CPF. O Amazonas está entre os 12 Estados onde a CIN já pode ser emitida.

Aeroporto de Natal

O aeroporto de São Gonçalo do Amarante, em Natal (RN), agora pertence à suíça Zurich Airport International. Foi arrematado em leilão por R$ 320 milhões. A Zurich já é dona dos aeroportos de Florianópolis (SC), Macaé (RJ) e Vitória (ES).

Aeroporto de Manaus

A Vinci Airports, dona do aeroporto de Manaus, deu uma boa guaribada no ambiente. O acesso ao embarque é feito em máquinas que reconhecem um QR Code fornecido no chek-in, presencial ou online. A sala de espera recebeu novo mobiliário. Falta melhorar a malha aeroviária, com novos voos, e transformar Manaus em hub aéreo, promessas da época da privatização.

Aeroporto de Manaus (2)

A Vinci, porém, precisa resolver as bobagens. Como a do estacionamento, que não recebe pix, nem admite aproximação do smartphone. Só recebe em dinheiro ou em cartão físico. O ex-deputado estadual Toni Medeiros só saiu dessa saia justa porque um conhecido pagou por ele. Funcionário do guichê, abusado, ainda retrucou: “Quem foi que disse que a gente é obrigado a receber com pix ou no celular?” A Vinci precisa aprender umas lições com os vendedores ambulantes da humanidade. E não absorver esse fenômeno manauara, a leseira baré.

*Marcos Santos

Jornalista e radialista. Começou em rádio, narrando futebol, aos 12 anos, na Rádio Alvorada de Parintins AM, onde nasceu. Ocupou cargos de direção nos jornais A Crítica, Amazonas em Tempo, O Estado do Amazonas e JC. Trabalhou nas TVs Ajuricaba, RBN, Amazonas e A Crítica, passando pelas rádios Baré, Rio Mar, Ajuricaba, A Crítica e Tiradentes. Foi secretário municipal de Comunicação de Manaus (1992 e 2017).

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui