As charges e a influência do Humor durante a Segunda Guerra Mundial

            Sua força é comprovada quando buscamos na teoria psicanalítica freudiana indícios que corroboram a eficiência do desenho humorístico enquanto meio propagandístico e influenciador de opiniões. Freud, em sua obra O Chiste e sua relação com o Inconsciente, traz-nos um tratado psicanalítico sobre a natureza do humor, suas ações e influências no inconsciente. Considerando as charges como uma das manifestações contemporâneas mais correntes de humor, buscamos nos apropriar deste discurso clássico e analisar como a charge pode repercutir na consciência de um indivíduo, pela produção do chiste e pelo riso.

            O riso, para Freud, seria um liberador das emoções reprimidas. Desta forma, por trazer o prazer da liberação do stress emocional, a risada seria uma manifestação individual e egoísta. “O riso compensa, em seus efeitos, o dispêndio contínuo de energia, exigido para manter as proibições que a sociedade impõe e os indivíduos internalizaram.”[2] O prazer que a ato de rir traz ao indivíduo é, como toda espécie de prazer, de alguma forma, embriagante. A embriaguez então causada no indivíduo fortalece a idéia transmitida pelo fato desta idéia estar acompanhada do prazer proporcionado pela risada. O próprio ato de rir já é um indício da aceitação, por parte do indivíduo, da idéia passada. Assim,

Ele (o chiste) ademais subornará o ouvinte com sua produção de prazer, fazendo com que ele se alinhe conosco sem uma investigação mal detida, exatamente como em outras freqüentes ocasiões fomos subornados por um chiste inocente que nos levou a superestimar a substância de uma afirmação expressa chistosamente. Tal fato é revelado à perfeição na expressão “die Lacher auf seine Seite ziehen” (trazer os que riem para nosso lado).[3]

Conforme observamos, o humor seria uma das formas de protesto ou propaganda mais eficientes que podemos utilizar. As charges, por serem veiculadas em jornais e na grande mídia, têm um alcance maior que um gracejo contado numa roda de amigos. Por seu caráter mordaz, têm também a natureza da crítica e da revolta, e é dessa característica que resulta, em grande parte, a simpatia natural que sentimos por estes desenhos, pois “rimos delas, mesmo se mal-sucedidas, simplesmente porque consideramos um mérito a rebelião contra a autoridade”[4], o que nos passa a idéia de poder satirizar, por alguns instantes, um poder central. O chargista poderá tratar, através de seus desenhos, de características e críticas que não poderia tratar abertamente, seja por conta da censura ou de convenções morais. Ao passá-las para o desenho, está promovendo uma pequena “rebelião” contra o objeto da crítica, e, muito provavelmente sem saber, arrebanhando adeptos de suas opiniões pelo poder do riso.

            Observaremos melhor essas colocações analisando uma de nossas fontes e verificando tais características nesse desenho.

THE THREE GANGSTERS. Londres: [s.n.], 1941. 1 cartão postal: pb.

O desenho acima reflete claramente antipatia ante os três principais membros do Terceiro Reich: Goebbels, Ministro da Propaganda do Reich, Goering, considerado, até 1945, o segundo homem do governo alemão, e Hitler, o Führer nazista. Veiculado em cartões postais ingleses a partir de 1941, o desenho sobrepõe as caricaturas de Goebbels e Goering a corpos de macacos, sugerindo que ambos pensariam e agiriam como tal, bem como teriam semelhanças físicas. Outro aspecto satirizante, este referido à figura de Goering, é a ostensiva coleção de medalhas em seu peito, característica marcante que foi utilizada por vários dos caricaturistas do Comandante em Chefe da Luftwaffe.

            A caricatura de Hitler, por sua vez, revela um julgamento quanto ao seu instinto belicoso. A caracterização do Führer na figura universalmente reconhecida da morte traz um aspecto muito mais crítico que a simples ridicularização de seus comparsas no mesmo desenho, contando também com o caráter cômico.

Os psicanalistas defendem que o riso causado pela figura facilitaria a apropriação destas caracterizações no julgamento pessoal do indivíduo que a observa. Desta forma, a idéia do autor da gravura, de que Hitler é a personificação da morte e do mal e de que seus comandados não passam de animais seria apropriada pelo observador.

            O humor aqui utilizado tem, portanto, um propósito: o de desmobilizar a crença pública quanto ao personagem histórico Adolf Hitler e o sistema político que ele representa. Por sua vez, Pierre Ansart nos coloca uma diferenciação dual na relação do humor com a esfera política: em um sistema pluralista como a Democracia, no qual as paixões políticas são constantemente reprimidas e cortadas a fim de manter o equilíbrio do sistema, o humor tem como função promover a multiplicidade de opiniões e a descrença quanto aos elementos nocivos, mas, principalmente, evitar as demonstrações apaixonadas das massas para com esses mesmos elementos. Sua ridicularização estabelece uma situação de inferioridade, um julgamento de valores no qual o ser político torna-se bizarro e ridículo, afastando os indivíduos pela descrença causada. Inserindo Henri Bergson na discussão, o humor trata de promover uma homogeneização da sociedade.

            Nossas fontes primárias são charges e caricaturas produzidas em dois sistemas e conjunturas distintas, porém, próximas se levarmos em conta a relação entre humor e política atentada por Ansart: o regime autoritário no Brasil de Getúlio Vargas e o regime totalitário alemão de Adolf Hitler. A natureza dessas fontes, entretanto, apesar de pertencerem a conjunturas semelhantes, são diferentes. Enquanto os desenhos brasileiros são produzidos por indivíduos e veículos desligados do Estado, a saber, por Belmonte e Chichorro, respectivamente da Folha da Manhã, de São Paulo, e do jornal O Dia, de Curitiba, onde a crítica velada, característica própria das charges, poderia encontrar espaço, as charges alemãs têm seu lugar em um jornal controlado pelo Estado nazista, o Der Stürmer. Pautando nossa pesquisa na caracterização do regime nazista, sua ideologia e seus líderes, buscamos analisar de que forma as charges destes diferentes autores cumpriam o papel propagandístico de que falamos anteriormente.

            O primeiro caso analisado é o de Belmonte, criador do personagem Juca Pato e considerado por muitos o maior chargista brasileiro. O título é justificado, pois poucos como Belmonte conseguiram sintetizar, em um único desenho, tantas considerações e análises de um determinado fato ou situação. Utilizando-se do semblante do personagem retratado ou do ambiente em que se encontra, dos objetos que o rodeiam ou das manchetes de jornais que evocam o assunto, o autor condensa sua opinião e sua visão em um quadro de alguns centímetros quadrados e a apresenta ao leitor, como podemos observar a seguir:

Fonte: BELMONTE. Música Maestro. São Paulo: Folha da Noite, 1940.

Aqui, Belmonte faz referência ao caráter belicoso de Hitler, numa charge que podemos considerar uma pioneira entre muitas outras que fariam críticas diretas e agudas em relação ao líder alemão e sua ideologia. Neste desenho, datado de 09 de agosto de 1940 e publicado na Folha da Noite, o Führer é retratado como maior fomentador do conflito, acusado de alimentar a morte através de uma grande carnificina, mantida através dos vários bombardeios aéreos que atingiram o território britânico. O título do desenho, “No Restaurante ‘Ao Relâmpago’”, é uma referência direta à Blitzkrieg promovida pelos alemães principalmente no início do conflito mundial. Hitler como chef do restaurante, atende aos pedidos da Morte, que exige que seu pedido seja atendido rapidamente: “Então, como é? Essa comida vem ou não vem?!”. No menu do dia, escrito no quadro abaixo da janela da cozinha, encontramos pratos não usuais, como “consome de Bombas, Filet de Granadas, Salada de dinamite à Krupp Stukas e Paraquédas, RAF em churrasco, Gazes e micróbios, Whisky fervendo, Guarda-chuva torrado, etc, etc etc, surprezas.”

            Os pratos servidos no restaurante “Ao Relâmpago” trazem nomes de armamentos utilizados durante a guerra, como bombas e granadas, e de divisões das forças armadas alemãs, como os pára-quedistas e os Krupp Stukas. Há ainda a referência ao guarda-chuva de Chamberlain, que no restaurante é servido torrado. Desta forma, Belmonte coloca a impossibilidade de paz naquele momento e a guerra como o fracasso definitivo das negociações diplomáticas que visavam o fim das agressões, promovidas pelo ex-primeiro-ministro inglês. De forma semelhante ao que acabamos de expor, Belmonte se utiliza de diferentes técnicas para manipular seus desenhos, como o cinismo, o nonsense e a alusão. Na crítica ao contra-senso das decisões tomadas pelos líderes nazistas e das posições que sustentavam referentes aos mais variados assuntos, encontramos a chave para o pensamento de Belmonte, para a linha editorial de seu jornal e para a opinião formada por seus leitores.

            O segundo caso é o desenho humorístico de Alceu Chichorro, jornalista paranaense e figura constante nas reuniões intelectuais curitibanas. Assim como Belmonte, Chichorro criou um personagem, Chico Fumaça, que ilustrava as aspirações da classe média e que expressava as idéias do autor. A presença de Fumaça orienta as ações nos desenhos. Seu olhar direciona as atenções do público leitor e suas colocações passam as opiniões de seu criador e de seu jornal.

            Ao atentarmos para as charges produzidas por Chichorro que fazem referências ao regime nacional-socialista, podemos observar dois momentos distintos: no primeiro, que compreende o período entre os anos de 1933, data de ascensão de Hitler ao cargo de chanceler, e 1942, ano da entrada do Brasil no conflito, a visão daqueles elementos é bastante branda. A origem de tal amenidade no trato do assunto tem várias possibilidades, que vão desde uma orientação editorial voltada ao público curitibano, que tinha visões otimistas acerca do regime alemão, até uma possível simpatia velada do autor para com a ideologia nazista. As razões para este comportamento de seus desenhos, entretanto, não passam de conjecturas.

            O segundo momento que podemos visualizar é iniciado no ano de 1942, quando o Brasil ingressa no conflito junto aos Aliados. A partir de então, como era de se esperar, os desenhos passam a criticar e satirizar o regime de Adolf Hitler e suas ações. Interessante nesta fase de Chichorro é a sutileza das críticas, não lançando mão do horrendo em suas charges, mas se utilizando sim de um humor sadio, que beira à inocência.

ELOY. O Dia. 15 jan. 1943.

Na charge aqui exposta, produzida no ano de 1943, já situada, portanto, na segunda fase de Chichorro, podemos visualizar o humor brando do autor. Baseada em notícia de diários estrangeiros, no caso, de Estocolmo, que noticiavam que “o estado de saúde de Hitler era precário e a conselho médico, o füehrer (sic.) estaria usando óculos pretos”, a charge mostra um Hitler de postura autoritária, demonstrando deter (ou com a ilusão de deter) o poder sobre a África. A situação é denunciada, além pela pose do líder alemão, pela placa que no plano superior do desenho aponta para o continente africano. A ilusão do domínio do continente negro é causada pelo uso dos óculos escuros, que, como o título da charge proclama, causa uma “ilusão ensombrada” à vista do Führer.

            O complemento do desenho é feito pelo diálogo travado entre Chico Fumaça e dona Marcolina, que observam Hitler: “ –  Mas porque (sic.) os óculos pretos, Fumaça? – É para ter uma ilusão da conquista da…. África!…”. Aqui, Fumaça cumpre seu papel de observador e de humorista, ao satirizar a atitude do ditador e, de forma indireta, sua ambição de conquistar aquela região.

            O terceiro caso analisado nesta apresentação é o do chargista Philippe Ruprecht, alemão que desenhava para o semanário Der Stürmer, editado em Nuremberg. A característica principal das charges publicadas neste jornal é que buscavam fixar nas mentes dos alemães os principais preceitos nacional-socialistas, dentre os quais se destaca o anti-semitismo. Novamente recorremos a Henri Bergson ao destacar uma “função social” para estas charges, qual seja, a de preparar a sociedade para o extermínio dos judeus em território alemão. O exemplo a seguir poderá ilustrar melhor esta questão.

FIPS. Der Stürmer, ago 1934. Nuremberg. In BYTWERK, Randall. Julius Streicher – Nazi Editor of the notorious anti-semitic newspaper Der Stürmer. New York, Cooper, 2001. p. 84.

Visualizamos então a técnica da associação sendo utilizada na difamação do povo judeu. Aqui, um morcego que carrega a estrela de Davi no peito e que tem as feições características do indivíduo judeu representado nas charges de Rupprecht, surge nos céus espalhando terror e morte no seu caminho. O título, Der Vampyr[5], já demonstra a conotação que a charge pretende imprimir: a do judeu sugador e aproveitador. A legenda ratifica esta idéia ao dizer Vom Teufel in die Welt gesegt er stets die Völker quält und hekt[6]. Em linhas gerais, o significado da frase evoca uma qualificação dos judeus como povo do inferno, cuja principal ação no mundo abençoado, ou seja, o mundo germanizado, seria a de atormentar e sugar os cidadãos arianos. As charges do Der Stürmer se prestavam, portanto, para a degeneração do alvo (principalmente os judeus, mas também comunistas, católicos e maçons) através da utilização de um humor grosseiro, com alusões diretas, valendo-se de títulos e legendas para melhor transparecer sua intenção. Trata-se de um produto destinado a um público muito definido, qual seja, o ariano adepto ou simpatizante das idéias nazistas, em especial do anti-semitismo, e predisposto a acatar as opiniões expostas.

A partir destes três casos aqui analisados, podemos tirar algumas conclusões. Com o Der Stürmer a população alemã passou a “ver” a quebra da harmonia social que os judeus promoveriam e, como não havia a possibilidade deste “erro” se corrigir sozinho, passou-se a aceitar a idéia da extirpação deste “corpo estranho” da sociedade. Em outros termos, o humor de Rupprecht serviu como uma alavanca para o ódio dos arianos para com os judeus, não se dirigindo à “inteligência pura”[7], como pregava Bergson, mas a um dos sentimentos mais recônditos do ser humano, qual seja, o ódio. A busca era por uma uniformização das idéias raciais e da moral do povo alemão, negando nesse processo a moral cristã, judaica ou qualquer outra e impondo a moral do Partido Nazista, processo acelerado e intensificado pelo Terror empreendido pela polícia secreta e pelas outras formas de propaganda empregadas, como panfletos e discursos radiofônicos.

De forma semelhante, através do riso, Belmonte e Chichorro buscaram transmitir a visão da ruptura que os nazistas e suas idéias impunham à harmonia européia e mundial. Em seus casos, entretanto, as palavras e as imagens não eram direcionadas aos instintos ou às emoções dos ouvintes, mas sim à percepção racional destes diante das denúncias feitas pelos autores. Em outras palavras, eram direcionadas à inteligência pura. Porém, da mesma forma, visavam minar aqueles que tinham simpatias pelo Nazismo ou simplesmente arrebanhar a opinião dos indiferentes. Buscavam também, portanto, uma homogeneização da sociedade através da uniformização de sua mentalidade.

Neste sentido, as charges têm seu lugar no espaço público, na arena de discussões. Sua função de expositora e de formadora de opiniões permanece marcante, seja como crítica a um governo ou como apoio ao mesmo, seja em Democracias ou Ditaduras. Da mesma forma que os chargistas atuaram nas décadas de 30, combatendo ou alicerçando políticas governamentais, hoje ainda se destacam na formação da opinião popular, aliando-se ao poder vigente ou a ele se opondo; as charges continuam tendo grande atração para os leitores e ainda possuem a capacidade de influenciar, de alguma forma, a sociedade.

[1] Mestrando no curso de Pós-graduação em História pela Universidade Federal do Paraná.

[2] Cf. SALIBA, Elias Thomé. Raízes do Riso – A representação humorística na história brasileira: da Belle Époque aos primeiros tempos do rádio. São Paulo. Cia das Letras, 2002. P. 23.

[3] FREUD, Sigmund. O Chiste e sua relação com o Inconsciente. Rio de Janeiro. Imago, 1977. p. 123.

[4] Ibid. p. 125.

[5] Trad. O Vampiro.

[6] Trad. Do demônio no mundo abençoado ele sempre agita e atormenta o povo.

[7] BERGSON, Henri. O Riso. São Paulo: Martins Fontes, 2001. p. 4.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui